VII JORNADA INTERNACIONAL DE MULHERES ESCRITORAS

Imagemligia          raquel          cora

Lygia Fagundes Telles, presidente de honra da Jornada Internacional de Mulheres Escritoras Raquel de Queiróz, primeira mulher a fazer parte da Academia Brasileira de Letras Cora Coralina, poeta, homenageada em 2014

Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores.”     (Cora Coralina)

Imagem


                              JIME

961091_10152208457939160_397572532_n

Laura Freixas – España – Premio Lygia Fagundes Telles

VII JORNADA INTERNACIONAL DE MULHERES ESCRITORAS “VII ENCONTRO DE REDES IBEROAMERICANAS DE ESCRITORAS E ESCRITORES”

“Jornada Internacional de Mulheres Escritoras”, pretende seguir plantando, para: alargar as fronteiras do possível, ampliar e compartir a diversidade do que sabemos. Descobrir recursos adormecidos, oferecer um espaço onde as mulheres, homens y jovens, se encontrem para somar, trocar, distribuir conhecimento, experiências vivenciais, juntamente com o público-leitor. Entendemos a literatura, como “arte” que oferece a possibilidade de ampliar limites desconhecidos, racionalidades ocultas e variáveis que ignoramos. A intenção deste projeto é a de oferecer um espaço onde os indivíduos possam somar suas vivências, experiências, obstinação, a partir da informação. Cabe aos escritores imaginar em liberdade! O poeta, desde o instante em que sente, que seus versos, ainda que nasçam da solidão, são gestos solidários. Compreende a extensão de sua responsabilidade, dentre as quais a de propiciar respostas e saídas do labirinto geopolítico contemporâneo. Seguimos conectando, nestes sete anos, por meio desse evento que também é uma rede, Fazemos isso navegando pelo ciberespaço. A forma mais objetiva que se encontrou para concretizar experiências, vivenciar e dividir o exercício de pensar, escrever e participar ativamente do mundo literário, vale muito a pena! As Redes e os eventos de escritores são clareiras que se abrem em meio à violência, visual, verbal, que vai distanciando o indivíduo de si mesmo.  As “Jornadas” se transformam em cúmplices certeiras para um mundo menos automatizado, onde os filhos e filhas encontrarão tempo para pensar, escrever, ler sem pressa, descobrindo novas formas de prazer. O universo literário abre espaços, onde, as escritoras e escritores, via diálogo escrito e falado, abrem caminhos junto à contemporaneidade de um século, onde o dialogo é a alternativa.

O Prêmio “Lygia Fagundes Telles”.  O grande momento para estimular, fortalecer e valorizar a arte de criar por meio das palavras, da emoção e da interatividade e reverenciar nossa importante escritora.

Jornada Internacional de Mujeres Escritoras”, pretende, alargar las fronteras de lo posible, ampliar lo que sabemos, descubriendo recursos adormecidos. Ofrecer un espacio, dónde las mujeres, hombres y jóvenes, se encuentren para añadir, intercambiar y distribuir conocimiento, experiencias vivenciales, juntamente con el público lector. Tenemos la literatura, como  el arte que ofrece la posibilidad de extender límites desconocidos, racionalidades ocultas y variables que ignoramos. Cabe a los escritores, imaginar en libertad, con el arte de convertir sus pensamientos en un lenguaje que va convivir con el misterio del pensamiento de la colectividad. El poeta, desde el instante en que comprende que sus versos, que nacen desde la soledad, son gestos solidarios. Puede entender la extensión de su responsabilidad, entre las cuales, la de propiciar respuestas y posibles salidas del labirinto geopolítico contemporáneo. Desde el primer encuentro, seguimos conectando las redes por intermedio de la Jornada, que también ya se transformó en una red, “Red de Mujeres Escritoras”. Lo hacemos navegando por el ciberespacio. La forma más objetiva que encontramos para concretar experiencias, vivir y compartir el ejercicio de pensar, escribir y participar activamente del mundo de las ideas. ¡Ha valido mucho la pena! Las redes y los eventos de escritores, son  pequeños focos de luz que alumbran, en medio a la violencia: visual, verbal, mental, y al bombardeo de las informaciones a través de imágenes, distanciando el individuo de uno mismo. Las Jornadas, se transforman en cómplices certeras para un mundo menos automatizado, dónde los hijos e hijas encontrarán tiempo para pensar, escribir, leer sin prisa, descubriendo nuevas formas de placer. El universo literario, escritores y escritoras, por la vía del diálogo escrito y hablado, abre caminos en la contemporaneidad de un siglo, dónde el dialogo es la alternativa.                                                            (Isabel Ortega)


Programa “VII Jornada Internacional de Mulheres Escritoras” ENCONTRO DE REDES IBEROAMERICANAS DE ESCRITORAS E ESCRITORES

São José do Rio Preto DIAS 16 E 17 DE MAIO DE 2014 AUDITÓRIO DO SESC RIO PRETO

Dia 16 de maio, sexta-feira 10h30 da manhã – ABERTURA – PRESENÇA DE AUTORIDADES E APRESENTAÇÃO DOS PARTICIPANTES. Apresentação do evento: Jornalista e historiador, Fernando Marques

12h00 – homenagem a poeta Cora Coralina – participação de Tássia Camargo (atriz e guionista) Entrega do Prêmio “Lygia Fagundes Telles” a escritora Espanhola “Laura Freixas”

Apresentação Isabel Ortega

Exposição ”A Alma Humana em Essência”, poemas de Roseli Arrudha e da fotógrafa Magada Pinheiro,  dias: 16, 17, 18, no Rio Preto Shopping.

13h00 – Encerramento

Almoço

Tarde: 14:00 – Laura Hernández Muñóz, do México – Membro de Nacões Unidas de las Letras México diante da globalização. Como conservar a identidade cultural sem ausentar-se do desenvolvimento mundial”

14h40- Joaquim Maria Botelho, São Paulo- Presidente da UBE (União Brasileira de escritores) “Confluência das linguagens literária e jornalística em Os Sertões, de Euclides da Cunha”. 15h30 – Dr. Wilson Daher – São José do Rio Preto- escritor/dramaturgo/ psiquiatra “Machado de Assis freudiano ou Freud machadiano”

16h20h00 – Janaína da Cunha – Rio de Janeiro – Jornalista, escritora, Comendadora das artes e correspondente a ALB/Suíça. Bisneta do escritor Euclides da Cunha. “O Papel da Mulher na Transformação da Sociedade” – Moderadora: Carmen Soller

Encerramento: Café Literário, ponto de encontro e apresentação de livros

DIA 17 DE MAIO DE 2014 – SÁBADO

Manhã 10H30- Laura Freixas, Barcelona, Espanha – Membro do Parlamento Cultural Europeo “Las escritoras y lo autobiográfico”

11h10 – Gabriela Aguilera Valdivia – Santiago do Chile- escritora y tallerista Membro do Colectivo Ergo Sum y Asterión Ediciones . “Direitos, Literatura e Violência”

12h30 – Beatriz H. Ramos Amaral – São Paulo – ,escritora, poeta, musicista y ensayista, autora de 10 (diez) libros, entre los que se encuentran ENCADEAMENTOS, PLANAGEM, LUAS DE JÚPITER, ALQUIMIA DOS CÍRCULOS. Finalista del Premio Jabuti de 1993. Recebió en 2006 el Premio Internazionale de Poesia Francesco di Michele (Caserta). Maestría en Literatura y Crítica Literária. Coordenou vários ciclos de Literatura na Secretaria Municipal de Cultura. Participa de diversas coletâneas (Brasil, Portugal). É membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Convido o público a navegar pelo universo transmutante do verbo/visualidade do poeta alagoano que fixou residência em São Paulo, aproximou-se da estética concreta, criou os “Tatoemas”, foi traduzido para vários idiomas e é um dos principaisexpoentes da poesia caligráfica e visual no Brasil.

“La Transmutación Metalinguística en la Poética de Edgard Braga”. 

Moderador: Romildo Santana

13h00  – Almoço

14h00 – Isolda Hurtado – Nicarágua – Diretora geral da Federação Centroamericana de Escritores, socióloga, filósofa, escritora. “Século XXI, Mulheres e Literatura”

14h40 – Marta Cecília Rivera – EUA/Chicago- psicóloga, escreve para revistas y periódicos de Chicago. Sua obra está publicada em EUA, Espanha, Colômbia. “A experiência de “Contratiempo”, organização que promove escritores no mundo”

15h20 – Márcia Nunes Maciel – Porto-Velho, Rondônia, escritora indígena, do povo indígena  dos Mura, “O espaço lembrado: experiências de vida em seringais da Amazônia, lembrando minha terra, minha aldeia.” Moderadora: Maureen Leão Cury

16h00 – Fernando Varela, Espanha, diretor da editorial “Lengua de Trapo”, tradutor, crítico. “Por que publicar mais livros? Há necessidade de novas vozes no mercado editorial?”

16h40 – Esmeralda Ribeiro, escritora,  afro-descendente. Quem disse que é o meu lugar é só na cozinha? Moderadora: Nilza Amaral

17h20 – Adelice Souza – Bahia, escritora e dramaturga, finalista do Prêmio Jabutí, 2013. A palavra é uma deusa”  Moderadora: Tássia Camargo

Encerramento – Café Literário – Sesc Rio Preto Sesc Rio Preto – Av. Francisco das Chagas Oliveira, 1333 – Tel.:(17) 3210.9300


ESCRITORAS  E  ESCRITORES PARTICIPANTES

Laura Hernández Muñoz

Laura Hernández Muñoz

    Laura Hernández Muñóz, México, Jalisco, escritora, dramaturga, ensaísta, jornalista, poeta, narradora, dramaturga, Doutora em História. “Fundadora do Instituto de Desarrollo Cultural para la Mujer”, fundadora da “Asociación de Literatura Infantil y Juvenil de México (ALIJME), Medalha de Ouro de poesia, no evento, Mahatma Ghandi de WWCP, Chennai, India, 2007. Com mais de vinte livros publicados, Quatro destes livros, sobre o Bicentenário de México, dos quais a Secretaria de Cultura de governo do Estado de Jalisco, editou um milhão e duzentos mil exemplares. Como conferencista esteve: Washington, New York (USA), Buenos Aires (Argentina), Toronto (Canadá), Arequipa (Perú), na  Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos (Washington). “México diante da globalização. Como conservar a identidade cultural sem ausentar-se do desenvolvimento mundial”

961091_10152208457939160_397572532_n

Laura Freixas

  Laura Freixas, Espanha, formada em direito, escritora, critica literária e tradutora. Faz parte do Parlamento Cultural Europeu e preside a Associação, “Clásicas y Modernas”, para a igualdade de gênero na cultura. Dedica-se totalmente a literatura, promovendo a literatura escrita pelas mulheres. Entre seus livros publicados estão, narrativas, romances, citamos “Os outros são mais felizes”. Colabora com “Babélia”, suplemento cultural do Jornal “El País’, revistas de “Libros Letras Libres”, “Mercúrio”, Colunista do Jornal, “A Vanguarda”. Escreveu em 2010, uma biografia da escritora Clarice Lispector, “Ladrona de Rosas”. Como conferencista esteve em: Estocolmo, Budapeste, Londres, Edimburgo, EUA. Experiência como docente: University of Virginia, Drtmouth College, University of Illinois in Urbana- Chamaing, escreve, traduz e se comunica em: Espanhol, Catalão, Inglês, Francês. Últimas conferências: “Las escritoras y lo autobiográfico”, na Biblioteca Nacional, Madrid, março de 2014 e “Introducción a la vida y obra de Virginia Woolf”, seminário na Casa del Lector, Madrid, março de 2014.

Imagem

Isolda Hurtado

  Isolda Hurtado, Nicarágua, escritora, poeta, socióloga, tradutora, graduada em filosofia e sociologia na Universidade de Nova Orleans (EUA), teatro e línguas. Uma das fundadoras da Associação Nicaraguense de Escritoras (ANIDE), fez parte da organização do “Congresso de Escritoras Centroamericanas”,de Manágua. Foi diretora da Federação Centroamericana de Escritoras, é membro do Centro Nicaraguense de Escritores (CNE), do Instituto Nicaraguense de Cultura Hispánica e do PEN Internacional. Faz parte do conselho Editor de revistas literárias. Sua poesia está traduzida em: inglês, francês, italiano e português, publicada em Antologias recentes na Europa e no Continente Americano.  “Século XXI, Mulheres e Literatura”

10344875_10152208446934160_1305450827_n

Martha Cecilia Rivera

   Martha Cecilia Rivera, EUA/Chicago, colombiana, escritora, narradora, romancista, crítica, jornalista e poeta colombiana, psicóloga pela Universidad Nacional de Colombia, mestrado em Comunicación Social de la Pontificia Universidad Javeriana. Atualmente vive en Chicago, U.S.A, onde escreve sobre literatura para vários jornais e revistas. Sua produção literária foi publicada em múltiplas antologias em: USA, Colômbia e Espanha. “A experiência de “Contratiempo”, organização que promove escritores no mundo”

10255388_10152208463219160_1825536799_a

Gabriela Aguilera Valdivia

   Gabriela Aguilera Valdivia  Santiago do Chile, escritora, narradora e antropóloga, formada em estudos mexicanos pela Universidad Nacional Autónoma de México. Profesora nos cursos da escritora Pía Barros, escritora y tallerista, membro do colectivo Ergo Sum y comitê editorial da “Asterión Ediciones”. Tem publicados: três livros de contos, três de microcontos, textos que fazem parte de antologias de “Ergo Sum” e antologias em: Cuba, Argentina, Estados Unidos, Venezuela e Espanha. Tem participação ativa no  fomento do livro e a leitura, financiados pelo Conselho do livro.Entre suas publicações mais recentes; a novela “Saint Michel” e o microcontos, “Astillas de Hueso”. Tem três contos publicados em blog de narrativa (Revista Archivos del Sur): Qué sabor tiene la carne, Ecuación lógica y Vine a cobrar lo que me debes.“Direitos, Literatura e Violência”

10331543_10152208503479160_1335706362_a

Beatriz H. Ramos Amaral

  Beatriz H. Ramos Amaral – São Paulo, escritora, poeta, musicista  e ensaísta. Mestre em Literatura e Crítica Literária (PUC-SP). Livros publicados: Encadeamentos, Primeira Lua, em col. Com Elza R. Amaral, poema “Sine Proevia Lege”, finalista do Prêmio Jabuti, A Transmutação Metalinguística na Poética de Edgard Braga, entre outros. Coordenou os eventos, “Poesia 96”, “Clarice Lispector” e “Edgard Braga:Cem anos”. Prêmio Internazionale de Poesia “Francesco de Michele” (Itália). Formada em direito (USP), Música (FASM), integra o Ministério Público de São Paulo. “A TRANSMUTAÇÃO METALINGUÍSTICA NA POÉTICA DE EDGARD BRAGA”. Nesta palestra, narro as linhas de minha pesquisa sobre a obra poética de Edgard Braga, que se transformou no livro homônimo em 2013 (Ateliê Editorial, Coleção Estudos Literários, São Paulo). Convido o público a navegar pelo universo transmutante do verbo/visualidade do poeta alagoano que fixou residência em São Paulo, aproximou-se da estética concreta, criou os “Tatoemas”, foi traduzido para vários idiomas e é um dos principaisexpoentes da poesia caligráfica e visual no Brasil.

Imagem

Janaína Da Cunha

Janaína da Cunha, Rio de Janeiro (Niterói) poeta, jornalista, escritora, atriz, produtora cultural, ativista sociocultural, idealizadora e Diretora/Presidente do Movimento Identidade Cultural (legado sociocultural de seu bisavô Euclides da Cunha), Embaixadora dos movimentos culturais da CONINTER, presidente da AMMARCC (Associação do Movimento Mundial de Arte, Respeito, Cultura e Cidadania), Acadêmica da ALB, Comendadora das Artes e membro correspondente da ALB/Suíça, “Embaixadora da Paz”, Delegada Cultural Extraterritorial/Suíça da FEBACLA, Acadêmica da ANBA e Senadora Cultural da União Cultural/SP para o Estado do RJ.“O Papel da Mulher na Transformação da Sociedade”

Imagem

Adelice Souza

    Adelice Souza, Bahia, é escritora,  dramaturga e diretora de teatro. Doutoranda  em Dramaturgia e Yoga e Mestre pelo PPGAC (UFBA), é graduada em Direção Teatral, pela UFBA.  Tem textos publicados e premiados, traduzidos para o inglês, francês, espanhol e alemão, em livros, revistas e periódicos nos Estados Unidos, Canadá e Alemanha. Os seus livros: As camas e os cães (contos, 2001); Caramujos Zumbis ( Contos, 2003); As 30 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira ( Antologia de contos, 2005); Salomé e Prometeu: dois mitos no limbo ( Teatro, 2005); Para uma certa Nina ( Contos, 2009); O homem que sabia a hora de morrer (Romance, 2012); Kali, senhora da dança ( teatro, 2013); Adestradora de Galinhas (Infantil, 2014). Com o romance juvenil “O homem que sabia a hora de morrer”,  foi finalista do Prêmio Jabuti de Literatura em 2013. A palavra é uma deusa”

untitled48

Fernando Varela

 Fernando Varela – Espanha, Madrid, tradutor, editor, formado em Filologia Hispânica.  Sua carreira se direcionou sempre ao mundo dos livros. Começa como editor free lance e leitor para editoras como: Tropismos, Akal, Maeva e Livreiro.Em 2006, passa a fazer parte da equipe da editora “Lengua de Trapo”, como editor, e na atualidade, na mesma editora é responsável po conteúdos e é editor. Paralelamente, ministra cursos em diferentes instituições como: “Consejo Superior de Investigaciones Científicas,  el Máster de Edición Santillana o el Máster de Gestión Cultural de la Universidad Carlos III. Atualmente, também é diretor da editora infantil Narval. “Por que publicar mais livros? Há necessidade de novas vozes no mercado editorial?”

Imagem

Joaquim María Botelho

  Joaquim Maria Botelho – São Paulo presidente da UBE, União Brasileira de Escritores, autor, jornalista, tradutor e professor. Tem especialização em Jornalismo Internacional pela University of Wisconsin (Madison, EUA) e é mestre em Literatura e Crítica Literária pela PUC/SP. “Confluência das linguagens literária e jornalística em Os Sertões, de Euclides da Cunha”.

Imagem

Wilson Daher

 Wilson Daher, São José do Rio Preto, escritor, dramaturgo, poeta, médico psiquiatra, aos catorze anos, já escrevia crônica para o jornal da cidade de São Carlos. Considera o ato de escrever um desafio. Publicou poemas em 1977, enviando um exemplar ao poeta, “Carlos Drummond de Andrade”. Como dramaturgo escreveu vários textos, que foram encenados no teatro. Sua última publicação foi “ Memorial de uma faxineira”. Dr. Wilson é membro da Academia Riopretense de Letras e Artes.  “Machado de Assis freudiano ou Freud machadiano”

foto minha colar de pérolas

Tássia Camargo

cora

Cora Coralina

Tássia Camargo, São Paulo, roteirista, tradutora, atriz, diretora teatral, gestora cultural, produtora, estudou no Dante Alighiere (Roma). Participou em filmes, peças teatrais, seriados e telenovelas, tendo começado sua carreira de TV, na Globo e no Teatro, com o diretor Antunes Filho. Interpretou Marlene de O Salvador da Pátria, Marina da Glória da Escolinha do Professor Raimundo e a Elisa de Tieta, como seus personagens mais marcantes. Atualmente, ministra cursos, como professora de teatro e cinema, na Casa das Artes de Laranjeiras, Rio de Janeiro. “De mim veio a mulher e veio o amor.” (Cora, Coralina)

 

 

Imagem

Marta Maciel

  Marta Maciel, indígena do povo Indígena, Mura, Porto-Velho, Rondônia, escritora, Mestra em Sociedade e Cultura na Amazônia – UFAM e, atualmente, doutoranda em História Social-USP, também é integrante do Instituto Madeira Vivo – Entidade socioambiental não governamental, e atua junto às comunidades indígenas, quilombolas, extrativistas e urbanas, na construção de sustentabilidades locais e reivindicações de seus direitos. Márcia Mura, faz parte junto com os Mura do Itaparanã e Capanã grande do movimento de retomada territorial e cultural.Pesquisadora do núcleo de historia oral, NEHO-USP, “O espaço lembrado: experiências de vida em seringais da Amazônia, lembrando minha terra, minha aldeia.”

Imagem

Esmeralda Ribeiro

 Esmeralda Ribeiro, São Paulo, jornalista, escritora, faz parte da “Geração Quilombhoje”, Por ocasião do centenário da Abolição, Esmeralda Ribeiro publicou o volume de contos Malungos e Milongas, em que a condição afrodescendente aflora em toda sua dimensão. Junto com Márcio Barbosa, é responsável pela direção cultural Quilombhoje e pela coordenação editorial da série, Cadernos negros, atualmente no vigésimo sexto ano de existência. A escritora está presente em diversas antologias de prosa e de poesia negras, tanto no Brasil quanto no exterior. Atua nos movimentos de combate ao racismo e na construção de uma “Literatura Negra”, a partir do resgate da memória e das tradições africanas e afro-brasileiras. Quem disse que é o meu lugar é só na cozinha?”


Imagem

Romildo Santana

MODERADORAS E MODERADORES  

Romildo Santana – São José do Rio Preto, escritor, livre-docente e comentarista da TV TEM, de maio de 2003 a dezembro de 2009. Publicou 8 livros (um traduzido em castelhano) e realizou atuação e direção teatral, roteiro e direção de cinema. Em TV, trabalhou na Rede Globo Noroeste Paulista (comentarista, 1987) e Rede Vida de Televisão (produção, 1995-1997). Entre outros, recebeu os prêmios “Casa das Américas” (Havana) e revelação do “Prêmio Governador do Estado de São Paulo”. É patrono da Cadeira no. 1 da Academia Rio-pretense de Letras e Cultura. Articulista do portal http://www.tripov.org (ciber/arte-ciber-/deias – Lisboa)

Imagem

Nilza Amaral

  Nilza Amaral– São Paulo, escritora, ficcionista, romancista, professora de línguas e literatura, entre seus livros publicados: “O dia das Lobas”, “O Florista”, prêrmio Maestrale (Itália), publicado na Espanha e Uruguay, com lançamento na Feira de livros de Havana (Cuba),  “Amor em tempo de açafrão”, “A Prisioneira do Espelho”, prêmio da Secretaria de Estado da Cultura. Faz parte do grupo de escritores góticos.

Imagem

Maureen Leão Cury

 Maureen Leão Cury,- São José do Rio Preto, curso de Letras pela Unesp/Ibilce. Professora de Língua Portuguesa/ Literaturas e de Língua Inglesa,da rede pública e particular, articulista colaboradora da Folha de SP e do Diário da Região. Coordenadora Regional da APEOESP- Associação, hoje, Sindicato de Professores do Ensino Oficial do Estado de SP. Primeira vice-prefeita de São José do Rio Preto, de 2001 2004. Pioneira ao assumir a Secretária da Mulher, Raça e Etnia,de 2005 a 2008, Coordenadora Regional dos Cursos de Formação Política da FUG – Fundação Ulysses Guimarães.

Imagem

Carmen Soller

 Carmen Soller – São José do Rio Preto, Professora universitária aposentada. Ex secretária Municipal de Cultura de 1993 à 1996. Articulista do Jornal Bom Dia, sendo também do conselho do leitor por dois anos. Articulista do Jornal Diário da Região  por mais de 40 anos.

Direção Isabel Ortega

lygia114_124401

Lygia Fagundes Telles Presidenta de Honor de las Jornadas

EUA_Isa

Isabel Ortega

 

 

Isabel Ortega – Autora,pesquisadora, pedagoga,tradutora, coordenadora de eventos e gestora cultural. Participou do “Salón del Libro Iberoamericano” de Gijón, Asturias, Espanha, levando um grupo de escritoras brasileiras. Criadora e diretora da “Jornada Internacional de Mulheres Escritoras”, evento premiado pela Academia Riopretense de Letras. Em 2012 foi conferencista na University Minnesota e University Saint Benedict, Minneapólis, EUA.



Exposición “A Alma Humana em Essência” 

poemas de Roseli Arrudha y de la fotógrafa Magda Pinheiro

302936_110230599081385_7469340_n

Roseli Arrudha

1545636_1375847462681025_402803675_n

Magda Pinheiro

días: 16, 17, 18 de mayo en  Rio Preto Shopping.

 

 

 

 

 

Parceria

Agradecimento: SESC/São Paulo e Equipe/ SESC Rio Preto/Equipe Sr. Danilo dos Santos – Diretor Regional do SESC São Paulo Equipe técnica: Direção: Isabel Ortega Curadoria: Roseli Ferraz de Arruda Assistente de direção: Nilza Amaral Produção: Renato Modesto Imagem Assistente produção: Maria Aparecida Marques Tradução: Ester Ishida Apoio: Camen Soller e Maureen L. Cury Apoios: UNORP – Centro Universitário do Norte Paulista, FATEC Rio Preto, UNESP, UBE – União Brasileira de Escritores. UNIP, UNIRP, UNILAGO, Academia Riopretense de Letras e Riopreto Shopping Center. Parceria: Sesc Rio Preto Av. Francisco das Chagas Oliveira, 1333- TEL.: (17) 3210 9300 Imagem


Enlaces Libros de las escritoras y escritores participantes https://picasaweb.google.com/113568239930616231714/VIIJornadaInternacionalDeMujeresEscritorasEnBrasil Medios y sitios web – prensa Anide http://www.escritorasnicaragua.org/noticia/198 Revista Archivos del Sur http://revistaarchivosdelsur.blogspot.com.ar/p/vii-jornada-internacional-de-mujeres.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s